Mesa redonda - Eixo 5: Corpo, gênero e diversidade na formação docente em educação infantil

Mediadora: Ericka Marcelle B. de Oliveira (GPEIDH/UFAL)

Debatedoras: Jane Felipe (UFRGS), Rosangela Soares (UFRGS), Márcia Buss-Simão (UNISUL), Simone Maria dos Santos (Coordenadora pedagógica da Escola Estadual Indígena profa. Marlene Marques dos Santos/SEDUC)

Sexualidade, scripts de gênero e infâncias: desafios para a formação

Jane Felipe (UFRGS)

Gênero e formação de professores(as): olhares sobre práticas contemporâneas

Rosangela Soares (UFRGS)

Talvez uma das primeiras coisas que se possa dizer quando se fala de gênero é que esse marcador, entre outros marcadores (raça, orientação sexual, classe social, geração, só para citar alguns), implica em diferenças, em distinções vividas, não raras vezes, de forma conflitiva e/ou violenta. A escola e o currículo são territórios de experimentações e um campo de luta em torno da significação e da identidade. Este é um tempo de profundas mudanças sociais, culturais, estéticas. Se a hipótese de que a multiplicidade, a diferença e as heterogeneidades culturais compõem as identidades no contemporâneo, cabe o questionamento: É possível lidar de forma harmônica com as denominadas diferenças que hoje povoam o cenário escolar ou lidamos de forma conflitiva, reforçando preconceitos e estereótipos? Acredito que a temática relacionada à diversidade e, especificamente, ao gênero compõem fortemente esse cenário de conflitos, apesar das discussões e avanços na compreensão desse tema existente na sociedade brasileira como um todo. Contexto este que os/as professores/as apontam igualmente, pois, segundo eles/as, a escola tem dificuldades de ser um espaço de construção identitária no sentido pleno e os/as professores/as não estão obtendo êxito enquanto adultos de referência para as novas gerações. Uma reflexão sobre a identidade contemporânea exige questionamentos sobre os significados do ser professor/a, do ser aluno/a.

Corpo, gênero e diversidade na formação docente em educação infantil

Márcia Buss-Simão (UNISUL)

A presente discussão, que compõe a mesa redonda denominada Corpo, gênero e diversidade na formação docente em educação infantil pretende apresentar dados de duas pesquisas que objetivaram analisar as configurações curriculares dos cursos de Pedagogia das Universidades Públicas Federais no Brasil. As pesquisas buscaram identificar, nas bases curriculares dos cursos de pedagogia das universidades federais do país, as bases científicas, disciplinares e conceituais que subjazem à organização das matrizes curriculares, bem como desvelar o lugar que a categoria gênero (BUSS-SIMÃO, 2015) e a categoria corpo (BARBOSA, 2015) ocupam ao longo do processo formativo oferecido pelos cursos de pedagogia dessas universidades.


Educação infantil indígena: aprendendo e vivenciando a cultura do povo Wassu-Cocal

Simone Maria dos Santos (Coordenadora pedagógica da Escola Estadual Indígena profa. Marlene Marques dos Santos/SEDUC)